Casa Curta-SE

topo do site

Público conhece trabalho de dubladores durante o Fici

 

Este ano, a 'Dublagem ao Vivo' contou com quatro sessões / Foto: Arthur SoaresFoto: Arthur SoaresGabriela Bicalho fazia as vozes femininas / Foto: Arthur SoaresFoto: Victor BaldeFoto: Victor BaldeAlexandre Marconato trabalha há 15 anos com dublagem / Foto: Victor BaldealtEdiléia Santos com os filhos / Foto: Arthur SoaresVale-compras da loja Pinóquio foram sorteados / Foto: Victor Balde


Os olhares se dividiam entre a tela de cinema e o púlpito em que estavam Alexandre Marconato e Gabriela Bicalho. Isso porque em quatro sessões do Festival Internacional de Cinema Infantil (Fici) exibidas neste sábado, 8, a platéia pôde contar com a ‘Dublagem ao Vivo’. Há cinco anos, a dublagem integra a programação do festival.

 

OS filmes dublados aos vivo foram ‘O Diário do Panda’, ‘Sopa de Sapo’, ‘As Grandes Aventuras da Abelha Hutch’ e ‘O Grande Urso’. A idéia é que as crianças possam conhecer um pouco do trabalho de dublagem. “Elas conhecem nossa vozes, mas não fazem idéia de quem somos, nem como funciona o trabalho de dublagem”, frisou Alexandre, que já trabalha na área há 15 anos.

 

Durante a dublagem, o som original do filme é mantido, só que em volume um pouco mais baixo. “Os filmes que dublamos não são americanos. É interessante que as crianças tenham contato com outras línguas. Dublamos filmes em japonês, holandês, francês”, relatou Gabriela Bicalho.

 

Para a dubladora, o momento se assemelha ao teatro “Estou há dez anos longe dos palcos. Participar da ‘Dublagem ao Vivo’ é um pouco parecido com fazer teatro. Você interage com o público, percebe as reações dele. É muito gratificante”, comentou Gabriela, que participa do Fici pela terceira vez.

 

Ediléia Santos aproveitou o sábado de folga para levar os dois filhos ao cinema. Segundo ela, a escolha pela ‘Dublagem ao Vivo’ foi motivada pela curiosidade. “Não sabia que poderia assistir a um filme assim. Achei que seria interessante e resolvi trazer os meninos”, conta.

 

A universitária Ariele Franco também não conhecia a sessão especial. Ela aproveitou para levar o irmão de 10 anos e ver como funcionava a ‘Dublagem ao Vivo’. “Achei interessante poder conhecer um pouco do trabalho deles. As vozes, eu já conhecia. Agora conheço também os dubladores”, disse. Após a exibição, foram sorteados vale-compras da loja Pinóquio.

 

Apoio
Incentivado pela Lei Rouanet, o festival tem patrocínio do BNDES, Petrobras, OI, McDonalds, Schin, Protex e Governo do Rio de Janeiro. A produção local é da Casa Curta-SE e conta com o apoio da Fundação Aperipê, Superlux, Portal Infonet, TV Sergipe, Shopping Jardins, Ativa Impressão Digital, loja Pinóquio e Fredd’s Lanches, com produção da Copacabana Filmes e realização do Governo Federal.

Anote

fone2_menor

A Casa Curta-SE está com novo telefone. 

Anote: (79) 3085-7416.

 

ico_twitterico_youtubeico_faceboock

Centro de Estudos Casa Curta-SE

Rua O dois, n. 61, conj. A Franco, Bairro Farolândia, Aracaju-SE

CEP: 49030-296

Endereço postal:

Praça Dep. Pedro Barreto de Andrade, nº 75, Conj. A. Franco, Bairro Farolândia, Aracaju-SE

 Caixa Postal 3825